O Último dos Moicanos: O “CimateGate” para lá do “ClimateGate” (2)

domingo, 6 de dezembro de 2009

O “CimateGate” para lá do “ClimateGate” (2)

[continuação] Muita gente sem formação na área das ciências estará, provavelmente, convencida que a média das temperaturas é a temperatura média do planeta. De facto, não é! E ao contrário do que possam estar a pensar, esta não é uma questão de semântica. O que temos visto publicado é a média de uma série de valores de temperatura registados em vários locais da Terra e corresponde à média entre a mínima e a máxima diária, verificadas em determinadas estações que o CRU seleccionou. O que significa que se as estações meteorológicas escolhidas para os cálculos forem outras, os valores médios obtidos também são outros. Mesmo que as estações fossem as mesmas, nestes últimos 150 anos de medições (e sabemos que isso é impossível) decorridos os anos, o espaço envolvente aos locais onde estão colocados os termómetros alterou-se e a radiação emitida pelo solo ou paredes próximas adulterou os valores obtidos. Mesmo que isto não acontecesse, para que os valores registados correspondessem à temperatura média do planeta, as estações escolhidas teriam de estar equidistantes umas das outras, ou seja, uniformemente distribuídas pela superfície (terra e mar) e isso é impossível, dada a inacessibilidade de alguns locais. Não há, portanto, forma de determinar, com rigor científico, a temperatura média da Terra. Assim sendo, tendo ou não havido manipulação maliciosa dos dados, estes (no seu todo) apenas podem relevar, enquanto mera curiosidade estatística, não tendo qualquer valor científico. Tal não impede que, caso a caso (isto é, estação a estação) os dados que agora se anunciaram destruídos, pudessem ter valor científico para o estudo de fenómenos à escala local. Para se perceber melhor a ideia, veja-se um exemplo simples relativo a vencimentos. Admitamos que com o crescimento de uma dada empresa (num país hipotético) todos os seus trabalhadores viram os seus salários, deste ano, aumentados 10%. Suponhamos agora que uma outra empresa, com número de funcionários idêntico à anterior mas em grandes dificuldades económicas, acordou com os trabalhadores uma redução de vencimentos de 5%. Pressuponhamos ainda, que todas as restantes empresas do país decidiram manter os vencimentos, excepto obviamente as que faliram e já não aparecem nas estatísticas e, aquelas que por terem sido criadas ao longo do ano também não entram para estes cálculos. Nestes pressupostos, achada a média dos vencimentos de todos os trabalhadores, verifica-se que ela subiu ligeiramente face ao ano anterior. No entanto, não podemos (de todo) concluir que todos os trabalhadores do dito país vivem melhor que no ano passado. A maioria (mesmo que a inflação seja de 0% estará na mesma e, alguns estão piores, tanto os que ganham agora menos 5% como os que ficaram sem emprego. As médias (na generalidade) independentemente da forma como são obtidas, servem essencialmente causas sociológicas e políticas, não causas científicas. O que os ridículos propagandistas tentam provar é que o planeta tem aquecido no último século e isso se deve às emissões humanas de gases com efeito de estufa, principalmente ao dióxido de carbono. Ora, para se provar isto, era necessário medir os níveis de dióxido de carbono nas imediações de todos os locais onde se fazem registos de temperatura e isso, como bem sabemos, não é feito (o dióxido de carbono é, oficialmente, medido num único lugar, Mauna Loa), depois, bastaria um único local (dos milhares onde se medem temperaturas) onde um deles, dióxido de carbono ou temperatura, não tivesse aumentado e a teoria era falsa. Note-se que para que uma determinada teoria científica possa ter-se como verdadeira, é preciso que todas as experimentações a comprovem, uma única discordante mostra que a teoria é falsa. Muitos parecem (agora) escandalizados com a publicação dos e-mails e falam do maior escândalo científico do século, parecem porém esquecer-se que: Por um lado, não são só os alarmistas corruptos, os culpados, milhares de alegados “cépticos” ficaram calados ou apontaram o dedo a pormenores “esquecendo” o essencial; outros, ao alegado consenso dos propagandistas opunham a falta de consenso; claro que uma teoria científica não reúne consenso, é uma teoria, carece de prova, mas neste caso, a estupidez proposta é de tal ordem que não vejo outra hipótese que não seja uma “consensual” gargalhada e uma imediata denúncia na comunicação social; Por outro lado, convém não ter memória curta e lembrar que outra teoria, em aberração, idêntica a esta, o “buraco do ozono” antropogénico, devido às emissões humanas de clorofluorcarbonetos (CFC’s), não só, valeu o Prémio Nobel da Química ao mexicano, Mário Molina, como, passadas duas décadas, continua escrita em todos os manuais de Química do ensino secundário, sem que alguém com visibilidade mediática tenha a coragem de dizer “Basta!” a tanta estupidificação. A questão da credibilidade científica não pode, portanto, colocar-se apenas, como dá jeito a muitos, ao nível dos 40 ou 50 “cientistas” do núcleo duro do IPCC (da ONU), do CRU (de East Anglia) e do GISS (da NASA) que cozinharam toda esta aldrabice, tem de ser estendida a dezenas de milhar, que por esse mundo fora, por silêncio ou omissão, pactuam há décadas com farsas a que chamam “ciência”, para canalizar rios de dinheiro (na maior parte dos casos, público) para os bolsos sem fundo de gente sem escrúpulos e sem um palmo de testa.
Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , , , ,

3 Comments:

Blogger Diogo said...

Esta gente sem escrúpulos e sem um palmo de testa não poderia ter uma tal divulgação sem grandes interesses económicos por trás.

Para «combater o aquecimento global» fala-se em quantias inimagináveis a serem pagas pelos contribuintes de todo o mundo.

Não, esses núcleos de «cientistas» são apenas paus mandados com o Poder Mediático e Político a servir de suporte. Estes últimos são, por sua vez, propriedade do Dinheiro.
.

segunda-feira, dezembro 07, 2009 7:09:00 da tarde  
Blogger Apache said...

De acordo!
E há ainda a questão da avaliação e progressão na carreira. Os cientistas evoluem na carreira, não pela validade dos artigos que publicam mas pelo número de artigos, portanto, não interessa se é verdadeiro ou falso, se é ciência ou adivinhação, o que interessa é quantas vezes publicou e onde.
Esta metodologia transformou o “topo” científico num clube privado onde umas centenas de corruptos e ignorantes se citam e validam mutuamente, destruindo os princípios fundamentais das bases científicas e dando credibilidade “científica” às mais estúpidas fantasias, em prol dos interesses políticos e económicos de outros.

terça-feira, dezembro 08, 2009 1:51:00 da manhã  
Blogger Diogo said...

Exacto! Imagino os milhões gastos em «pesquisa» de trampa por estes distintos investigadores.

terça-feira, dezembro 08, 2009 11:53:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home